Pichau Arena
Uma Batalha de Informações

Sharks vence lower final do VCT Brasil Finals e se classifica para a Islândia

0

Após vencer a Havan Liberty em uma série de 2×0, a FURIA disputou a lower final contra a Sharks Esports, equipe que se classificou após derrotar a Gamelanders na última sexta-feira.

A última etapa da chave de repescagem permitia que uma das duas equipes garantisse a vaga para a Islândia, ao lado da Team Vikings. O vencedor garantiu, também, a vaga para disputar com a mesma o título do VCT Stage 2, em uma série de melhor de cinco, que acontece amanhã, 17 horas, no horário de Brasília.

Bind

O primeiro mapa da série começou de forma disputada, com a FURIA atacando no mapa de escolha inimigo.  Os panteras garantem fáceis entradas pelo bombsite A, mas o bom posicionamento da Sharks funciona e os tubarões realizam bons retakes, virando o placar empatado para 5×4.

Após uma pausa tática pedida pela FURIA, os panteras decidem avançar para o bombsite B e garantem as próximas duas rodadas, dessa vez, virando o jogo a seu favor. No último round da primeira metade, a equipe de xand decide alternar e volta a avançar pelo lado A, conquistando seu sétimo ponto com facilidade e vencendo o lado atacante.

O primeiro pistol da FURIA veio após a troca de lados, com uma boa defesa e um rápido retake pelo lado B, abrindo o placar para 8×5. A Sharks não desiste e tenta novamente assegurar o mesmo bombsite, mas a FURIA elimina um por um e garante o nono ponto, quebrando a economia dos tubarões.

A FURIA conquista o primeiro matchpoint da série sem deixar a Sharks avançar, com o placar a 12×5. Com os tubarões completamente reféns da FURIA, o jogo termina rapidamente e os panteras levam o mapa inimigo, abrindo a série por 1×0.

Ascent

No segundo mapa, de escolha dos furiosos, a Sharks apresenta uma defesa bem mais segura do que no mapa anterior e começou de forma explosiva. Com o placar a 6×2 para o inimigo, a FURIA vai ficando para trás.

Durante toda a primeira metade, os tubarões não deixaram barato e a FURIA conseguiu atacar perfeitamente apenas duas vezes. Com o lado atacante em 2×10, os panteras começaram o lado defensor com uma grande desvantagem de rounds.

O primeiro ponto após a troca de lados ficou para a FURIA, com um duelo de Killjoys que foi vencido pelo jogador Teddy. Apesar da boa economia, o segundo round da segunda metade ficou para os tubarões, que alcançaram o décimo primeiro ponto e, logo em seguida, o matchpoint.

A Sharks conseguiu garantir o ponto final com um bom uso da ultimate da Killjoy, que paralisou o sova de nzr e impediu o desarme, finalizando com um clutch de gaabxx. Com a série em 1×1, a decisão foi empurrada para o mapa Icebox

Icebox

No mapa decisivo, os panteras entraram pelo lado atacante com outra postura e asseguraram, sem muita dificuldade, os sete primeiros pontos da partida.

Com uma ótima combinação da Reyna de qck e do Sova de nzr, os tubarões não conseguem parar o avanço inimigo e não têm sucesso defendendo qualquer um dos bombsites, permitindo que a FURIA faça o oitavo ponto livremente.

A confiança da FURIA foi abalada quando a Sharks começou a se reorganizar no mapa e garantiu quatro pontos consecutivos, diminuindo a distância de pontos e confundindo os furiosos; que não conseguem se movimentar bem.

Com a troca de lados, os tubarões garantem o pistol round e estão a apenas três pontos de distância dos inimigos. A Sharks continua insistindo no avanço para o bomb A e garante o segundo ponto, mas a FURIA revida com seu primeiro armado e abre o placar para 9×6.

A Sharks, porém, consegue empatar o jogo em 10×10 e vira o jogo para o matchpoint, atacando com maestria pelo bombsite B e garantindo todas as trocas de tiros. Os tubarões fecham o jogo e se classificam para o Mundial na Islândia, além de terem compromisso marcado com a Team Vikings amanhã para a disputa pelo título brasileiro.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x